Sem suporte, a medicina não evolui

Até por ser médico, participo de reuniões e eventos da área de saúde em condição privilegiada e percebo o incômodo dos meus colegas quando o tema é a inflação médica. Isso porque entendemos corretamente que honorários não são os fatores mais relevantes nesta conta e que deveríamos ser muito melhor remunerados. Isso dito, é fundamental entendermos a responsabilidade do ato médico e suas escolhas, no contexto da segurança e qualidade na prestação de serviços em saúde e que não é ele o vilão da inflação do custo médico-assistencial.

Medicina é equipe, é processo e é estrutura. E todo contexto importa para os resultados da assistência. A partir de 2006, iniciou-se em todo o mundo uma marcha para se evitarem mortes por inconformidades e erros que acontecem numa prática assistencial sem rigor métrico e sem ser pautada pelas melhores evidências. Nesse momento nasce o Institute for Health Improvement (IHI). Todo esse movimento tem como objetivo aprimorar os resultados clínicos, reduzir os desperdícios e, o mais importante, aperfeiçoar a experiência dos pacientes.

Melhor atendimento

A busca por maior qualidade na assistência médica, com estabelecimento de uma série de métricas e a realização de suas avaliações, desenvolve enormemente a capacidade de gestão do setor de saúde em vários aspectos. Ela permite uma comparabilidade com transparência e gera a possibilidade de que se confrontem índices de infecção de hospitais, causas de reinternações e dados sobre úlcera de pressão, por exemplo, o que dá melhor poder de escolha ao paciente no momento de decidir onde buscará atendimento e garante um certo protagonismo durante os cuidados com a sua saúde.

Também é possível se questionar se muitos dos avanços que foram alcançados pela medicina nos últimos anos realmente ocorreriam sem uma procura constante por melhor qualidade de atendimento e por mais segurança para o paciente. Em outras palavras: tecnologia não é só aparelho. Deixando essas questões de lado, seria possível trabalhar e alcançar os últimos resultados da redução de úlcera de pressão? E o que falar de diminuição de infecções por Staphylococcus resistente e por pós-ventilação assistida, além de readmissões por insuficiência cardíaca congestiva? E, ainda, de prevenção de dano por uso de medicações de alto risco?

Estima-se que o número de mortes evitadas nos Estados Unidos nos últimos 10 anos somou alguns milhões com o fortalecimento do trabalho focado na medicina baseada em evidências e em valor em saúde com práticas de qualidade. Sistemas de compliance são importantes e times cujos pontos centrais de trabalho são a qualidade e a segurança do cuidado são absolutamente fundamentais. Até porque a experiência do paciente demanda justamente isso.

Sem desperdícios

O que temos de concreto é: a inflação de fato não é somente médica, ela é principalmente assistencial, com contribuição de vários agentes que trabalham em busca de tornar o serviço médico melhor e mais eficiente. E sem esse suporte, acredito que não teríamos evoluído como conseguimos. Mas a inflação médico-assistencial também é fruto de uso abusivo e desnecessário, e isso, sim, que é condenável.

Fonte: Veja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *